O rádio no interior da Austrália

24 02 2019

Adrian M. Peterson

Durante os primeiros dias de Setembro de 2016, ouvintes de ondas curtas do mundo inteiro reagiram com choque e espanto ao anúncio de que as três estações de ondas curtas da ABC no Território do Norte da Austrália seriam abruptamente desligados. A informação vieram do conhecido dexista de Melbourne, Bob Padula, que a descobriu e repassou ao mundo via internet. A razão do encerramento seriam cortes orçamentários.

Entretanto, em um anúncio subsequente, foi informado que as estações VL8A, VL8K e VL8T seriam reativadas às 09:00 (horário de Sydney) do dia 13 de Setembro. Apesar do fato de que esta informação tenha sido tão bem-vinda quanto a anterior indesejável, questões não respondidas permanecem.

Ao que parece as três estações foram desligadas simultaneamente nos primeiros dias de setembro, e de acordo com observações a partir da Austrália e Nova Zelândia, permaneceram fora do ar.  A razão para o fim triplo das transmissões em ondas curtas foi o déficit orçamentário.

Será que isso foi fruto da reação de ouvintes até então ocultos de regiões desertas do centro da Austrália? Ou talvez a reação de um número grande de ouvintes internacionais que acabaram chamando a atenção das autoridades?

Em todas as ocasiões anteriores, seja de construção como de manutenção, cada uma das estações, cada uma das estações foi atendida geralmente de forma consecutiva, geralmente não simultaneamente, devido às longas distâncias envolvidas e à escassez de logística local e de pessoal. A distância entre as duas estações mais distantes, VL8K Katherine e VL8A Alice Springs ultrapassa os 1100 km. Isso sugere que dificilmente se trata de uma situação de manutenção. E mesmo se fosse, porquê não houve cobertura temporária da Rádio Austrália Shepparton como em outras ocasiões?

As três emissoras de ondas curtas no ar a partir do Território do Norte são: VL8A em Alice Springs, VL8T em Tennant Creek e VL8K em Katherine, cada uma operando com 50 kW. Estea rede regional de estações de ondas curtas utiliza tanto o conteúdo que vai ao ar em ondas médias pelas estações da ABC em Darwin e Alice Springs, assim com inserções adicionais de programação em idiomas Aborígenes.

Neste artigo será abordada a origem das emissoras.

O Território do Norte é uma ampla e esparsamente povoada região da Austrália, predominantemente desértica, que é administrada como um estado. Engloba uma área de mais de 80 mil km² em que habitam cerca de 250 mil pessoas. Esta grande região árida também inclui porções de cinco outros estados.

A capital do Território do Norte é Darwin e fica na costa norte, e duas das principais atrações turísticas são o monólito Ayers Rock, na região central e o conjunto de domos Olgas Rocks. Outras atrações incluem o Parque Nacional Kakadu, o maior do país, com mais de duas mil diferentes espécies de plantas e esculturas Aborígenes.

A história da radiodifusão em ondas curtas no Território do Norte tem sua origem no ano de 1928. Em Maio daquele ano, a estação de ondas médias 5CL, de Adelaide, e de cunho comercial, solicitou uma licença para operação em ondas curtas para retransmitir a programação de ondas médias para ouvintes espalhados no interior do país, tanto no Sul da Austrália como no Território do Norte. Durante algum tempo, o Território do Norte foi administrado pelo governo de Adelaide, no Sul da Austrália.

A licença da 5CL era para um transmissor de 5 kW na faixa entre 70 e 80 metros. Entretanto, as autoridades recusaram o fornecimento desta licença.

Como resposta, a 5CL começou a enviar parte de sua programação via cabo a Melbourne no ano seguinte, onde era recebida pela 3LO e retransmitida para o Território de Norte em ondas curtas pela estação VK3ME, um transmissor da AWA no subúrbio de Braybrook. A união 3LO-VK3ME também levou ao ar outros programas para os ouvintes no interior, embora a ênfase da cobertura em ondas curtas fosse voltada à Inglaterra e Estados Unidos.

Em 1938 foi feita outra tentativa de estabelecer uma estação de ondas curtas para cobertura específica da Austrália Central e do Território do Norte com um transmissor próximo a Adelaide. Entretanto, tal projeto foi abandonado devido à guerra iminente na Europa.

Em 1928, um transmissor experimental de ondas curtas de 600 watt foi instalado em um contêiner  próximo a Lyndhurst, em Victoria. A programação retransmitida tinha como origem as ondas médias das estações 3LO e 3AR de Melbourne. Inicialmente o transmissor foi ao ar sem um indicativo específico, sendo adotado subsequentemente uma combinação dos dois, isto é, 3LR. Ele foi posteriormente modificado para VK3LR e finalmente VLR, com aumento de potência ao longo do tempo; 1 kW, 2 kW, 5 kW e finalmente 10 kW.

Inicialmente a estação VLR levou ao ar programação tanto da 3LO como da 3AR, embora subsequentemente a programação nacional de Sydney via 3AR fosse ao ar a partir desta estação. A área de cobertura da programação da ABC por meio deste transmissor era o interior, e em muitas ocasiões importantes conteúdo especial era apresentado para tal audiência, incluindo boletins de notícias regionais. A estação de Lyndhurst foi fechada em 1987.

Quando o transmissor de 10 kW da VLG foi inaugurado em Lyndhurst em 1941, serviu com propósito duplo; retransmissão da programação da ABC para o interior e retransmissão da Rádio Austrália para o mundo. A unidade foi ao ar por um período de quase meio século, sendo também fechada em 1987.

Outro transmissor de 10 kW foi instalado em Lyndhurst em 1946 para cobertura do interior e assumiu a retransmissão da programação da ABC sob o indicativo VLH. Assim como VLR e VLG, também encerrou as operações em 1987, junto com todos os outros serviços de ondas curtas da ABC e Rádio Austrália a partir de Lyndhurst.

No Oeste da Austrália, o maior estado do país, uma nova estação de ondas curtas estava sendo construída quando do início da guerra na Europa. Este serviço em ondas curtas, inicialmente com apenas 2 kW, tinha como objetivo aumentar a área de cobertura da ABC nas áreas do interior daquele estado e do Território do Norte. Um transmissor novo de 10 kW foi instalado sob o indicativo VLW em 1960.

Então, em 1949, um transmissor de 50 kW foi instalado sob o indicativo VLX. Esta unidade foi incorporada à VLW em 1969, e os serviços em ondas curtas a partir de Wanneroo foram encerrados em 1994.

Em Queensland, da mesma forma existiram dois serviços em ondas curtas para o interior em paralelo com a estação de ondas médias da ABC em Bald Hills, localidade ao norte da capital do estado, Brisbane. O transmissor de 10 kW sob indicativo VLQ foi inaugurado em 1943; uma unidade temporária de 200 watt foi instalada seis anos depois como VLM. Tal transmissor foi substituído por um de 10 kW em 1951. Os transmissores VLQ e VLM deixaram de operar em 1993.

Houve outra estação de ondas curtas em território australiano que proporcionou excelente, embora não esperada cobertura em Alice Springs e na Austrália Central, a emissora de baixa potência (2 kW) VLI a partir de Liverpool, no subúrbio de Sydney. A VLI foi inaugurada em 1948 e retirada de serviço em 1983, quando o transmissor aparentemente apresentou problemas.

Você já conhece o canal Regional DX no Youtube? Vídeos novos publicados nos dias pares do mês. Não deixe de se inscrever, curtir os vídeos, comentar e compartilhar o conteúdo. Visite em youtube.com/regionaldx

Anúncios




Rádio Educativa – Piracicaba/SP

22 02 2019

Piracicaba é uma cidade da qual tenho 100% de retorno quando o assunto é confirmar emissoras de FM. Já nas ondas médias, meu retorno é de 0%.





Rádio Brasil Sul – Londrina/PR

20 02 2019

Mais uma emissora do norte paranaense e a terceira de Londrina que consigo sintonizar em ondas médias. Em breve será mais uma a receber um informe de recepção que espero ser confirmado!

A Rádio Brasil Sul foi captada em Sorocaba/SP na frequência de 1290 kHz conforme áudio abaixo:





Decodificando Fax

18 02 2019

Mesmo sendo um modo digital cujo uso declinou muito ao longo dos anos, o fac-símile ainda pode render escutas bem interessantes e obviamente imagens bastante exóticas conforme segue:

Guarda Costeira dos Estados Unidos (6340,5 kHz)

Guarda Costeira dos Estados Unidos (6340,5 kHz)

Guarda Costeira dos Estados Unidos (6340,5 kHz)

Serviço Meteorológico Alemão (7880 kHz)

Iqaluit Rádio (7710 kHz)





Idiomas nos cartões QSL

16 02 2019

Adrian M. Peterson

Nos dias atuais é estimada a existência de 7100 idiomas vivos. As mesmas autoridades afirmam que a população da Índia fala 880 idiomas, e que no estado de Arunachal Pradesh existam 90 idiomas diferentes. A organização internacional de tradução United Bible Societies informa que as Escrituras Sagradas foram traduzidas para mais de 3324 idiomas (e também dialetos, creio).

O idioma mais falado no mundo é o Inglês, com um total de 1,121 bilhões de pessoas que a falam como língua primária ou secundária. O livro Guinness dos recordes (1988) listou um francês que era líder no domínio de idiomas. O poliglota Georges Henri Schmidt, era oficial das Nações Unidades no meio do século passado e era fluente em 31 idiomas.

Como é comum em todas as edições do WRTVHB, são listados programas de rádio no mundo todo em diversos idiomas, embora obviamente não em todos os falados no mundo. A All India Radio atinge seus ouvintes locais em 202, e no serviço internacional em ondas curtas são 28. A Voz da América, junto com suas subsidiárias, fala para o mundo em 50 idiomas; e atualmente, a BBC de Londres vai ao ar em ondas curtas em 18 idiomas.

A maioria das emissoras cristãs em ondas curtas transmitem em diversos idiomas. Por exemplo, a Trans World Radio apresenta sua programação em ondas curtas em 230 idiomas; a Adventist World Radio transmite em 120. A Far East Broadcasting Company das Filipinas vai ao ar em 113 idiomas; e a Rádio Vaticano apresenta sua programação em 20 idiomas.

Com tantos idiomas no ar e de tantas emissoras no mundo todo, também é esperado que os cartões QSL também sejam impressos em diversos idiomas. Várias emissoras de ondas curtas emitem suas confirmações no idioma oficial do país. Assim, é um tanto óbvio que emissoras como a Voz da América e Rádio Nova Zelândia Internacional emitam cartões QSL em Inglês. O mesmo quanto a Rádio Austrália antes de fechar abruptamente há dois anos atrás.

Curiosamente, algumas emissoras de ondas curtas utilizam cartões QSL apenas em Inglês, embora no país sejam falados outros idiomas. Por exemplo, os cartões QSL da All India Radio e da Rádio Bangladesh são sempre em Inglês. Os da Rádio Canadá Internacional, quando estavam no ar, eram emitidos nos idiomas oficiais do país: Inglês e Francês.

Também há emissoras de diversos países que emitem cartões QSL em Inglês assim como no idioma oficial. A Deutsche Welle já emitiu cartões QSL em Alemão e Inglês. Na década de 1990, o serviço Alemão da BBC emitiu um cartão QSL em tal idioma. Outras emissoras fizeram o mesmo, como a Rádio Coreia, Rádio Pyongyang  e Voz do Vietnã.

A China emitiu cartões QSL distintos em Chinês, Japonês, Português e Inglês; a Rádio Austrália emitiu QSLs em idiomas asiáticos como Japonês e Tailandês. A Rádio Nova Zelândia Internacional também emitiu cartões em Japonês. A Rádio Vaticano, cartões QSL em Inglês e Latin; e a Suíça em quatro idiomas: Alemão, Francês, Italiano e Inglês.

Além de idiomas internacionalmente conhecidos nos cartões QSL, ao menos dois artificialmente criados também foram usados em confirmações. Em 1957, o rádio amador SP8CK, de Lublin, Polônia, manteve um contato com CX1AK, de Montevidéu, Uruguai. O QSL do polonês foi impresso em Esperanto, a mais popular de todas as línguas auxiliares.

Um idioma bastante raro foi usado em um QSL em 1930. Ele foi emitido pela estação amadora SKW desde a cidade de Uman, na Ucrânia, e confirmou um QSO com a estação norte-americana NU1BES, da província de Rhode Island.

O titular do indicativo NU1BES era Lewis Bellem, um engenheiro da Universal Winding Company, que fabricava bobinas de rádio em Providence sob o nome fantasia Cotoco-Coils. Em 1938, tanto Bellem como Granville Lindley, outro engenheiro da mesma empresa, foram para a ilha Pitcairn, no Pacífico Sul e instalaram a estação de radiodifusão VR6AY.

O texto no QSL da estação SKW foi impresso no idioma Ido, que é um dialeto descendente do Esperanto. Hoje não há mais que 200 pessoas no mundo que saibam falar tal idioma.

Finalmente, em nossa jornada pelos idiomas nos cartões QSL chegamos à língua impressa para os deficiente visuais, que recebeu o nome Braille em homenagem ao francês Louis Braille, que ficou cego na infância por conta de um acidente. Em 1824, com apenas 15 anos, Braille inventou um sistema de seis pontos em relevo que permitem aos deficiente visuais a ler e entender os pontos com seus dedos.

Em 1955, a estação amadora francesa F9KX emitiu um cartão QSL para K6GW nos Estados Unidos. O texto do QSL foi impresso em Francês, junto com uma mensagem em Braille.

Em 1994, Arthur Cushen, de Invercargill, Nova Zelândia, recebeu um QSL e carda da estação 2PB da ABC desde a capital da Austrália, Canberra. Na época a a 2PB levava ao ar o noticiário da ABC, e o transmissor era uma antiga unidade de 2 kW que serviu à 2CY que fora reformado e ressintonizado para 1440 kHz. A carta, com quatro páginas, foi preparada em Braille.

Para encerrar, há vários anos a Adventist World Radio emitiu um número limitado de cartões QSL que foram impressos com um texto em Inglês e uma breve mensagem em Braille. Tais cartões foram obtidos junto à Christian Record Services, de Lincoln, Nebraska.

Você já conhece o canal Regional DX no Youtube? Vídeos novos publicados nos dias pares do mês. Não deixe de se inscrever, curtir os vídeos, comentar e compartilhar o conteúdo. Visite em youtube.com/regionaldx





Rádio Dubai

8 02 2019

Hoje apenas um centro transmissor alugado por diversas emissoras, já foi um dia uma poderosa emissora que tinha sintonia muito boa na década de 1990 e início de 2000.





Rádio Hulha Negra – Criciúma/SC

6 02 2019

Das muitas emissoras catarinenses que chegam por aqui durante o inverno, esta é uma das poucas que infelizmente não consegui confirmar.

A Rádio Hulha Negra foi captada em Sorocaba/SP na frequência de 1450 kHz conforme áudio abaixo: