Japanese radio station on an Australian island

3 06 2017

Adrian M. Peterson

Durante o período da Guerra no Pacífico, circularam diversos rumores de que militares japoneses desembarcaram em áreas isoladas no norte da Austrália, embora seja evidente de que houveram mais rumores e menos desembarques. Algumas histórias do período do conflito dão conta que aviões japoneses chegaram a pousar em pistas no meio da selva no norte, embora seja de conhecimento sobrevoos na costa da Tasmâniae sobre as cidades de Melbourne e Sydney.

Há um desembarque conhecido de japoneses em uma região isolada da costa oeste próxima à Ilha Browse. Um pesqueiro de 25 toneladas, o “Hiyoshi Maru” levou pessoal do exército e marinha do Timor, escoltada no início de sua jornada por um avião Mitsubishi, um bombardeiro leve tipo 99. Os nomes dos japoneses à bordo do navio foram passados pelo operador de rádio, Kazuo Ito.

Durante a tarde de 19 de Janeiro de 1944, três grupos separados do “Hiyoshi Maru” desembarcaram, foram para o extremo norte da costa oeste e filmaram a região com uma câmera de 8 mm.

É provável que Kazuo Ito não usou o transmissor enquanto estava em águas australianas, embora houvessem rumores de que espiões japoneses comunicavam informações críticas pelo rádio. O professor Hiromi Tanaka, que leciona História da Guerra na Academia Nacional de Defesa em Yokosuka, Japão, informou que espiões japoneses viviam em pequenas ilhas próximas à costa do país. As autoridades australianas não possuem registros de eventos do gênero.

Há uma história bem interessante sobre como um espião japonês usou um transmissor na Austrália durante a Guerra no Pacífico: quando ele coletava as informações desejadas, ia com um bote até uma ilha próxima e sintonizava um transmissor de baixa potência em uma frequência logo abaixo de uma emissora de ondas médias. O espião transmitia as informações em Código Morse, e o heteródino era quase impossível de ouvir no continente, exceto por um monitor astuto com bom receptor.

Essa história podia ser verdadeira e foi bastante aceita, embora possua diversas anomalias. De acordo com relatórios do governo, o ouvinte que descobriu tal transmissão vivia em Sydney e que sua origem seria uma ilha próxima a Newcastle, a uma distância de 120 km ao norte. A recepção de um sinal com potência tão baixa seria quase impossível.

O indicativo da suposta estação em Newcastle foi dado, mas na realidade pertencia a um transmissor de ondas médias localizado em Sydney.

Ele dizia que ia com um bote até uma ilha próxima a Newcastle, mas a ilha mais próxima de tal localidade ficava a 320 km ao norte.

Os proprietários da emissora de Newcastle registraram a emissora em nome de uma organização religiosa, que possui centenas delas no mundo inteiro na atualidade, mas nenhuma na Austrália naquela época. Ela foi culpada sem nenhuma ligação com tais eventos, principalmente porque estava fora do ar no período do conflito e quando o espião informou estar ativo.

Optamos por não identificar a emissora nesta histótia para proteger sua inocência. Entretanto, o nome da pessoa que descobriu tal transmissão é conhecido.

Será que esta história é realmente verdade e o informante se baseou em memórias falhas? Ou seria o caso de desinformação? Provavelmente nunca saberemos.

Artigo traduzido mediante autorização. A publicação em qualquer outro meio é expressamente proibida.

Você já conhece o canal Regional DX no Youtube? Vídeos novos publicados nos dias pares do mês. Não deixe de se inscrever, curtir os vídeos, comentar e compartilhar o conteúdo. Visite em youtube.com/regionaldx

Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: