A história da WYFR nas ondas curtas

29 08 2015

Adrian M. Peterson

Em outro artigo foi apresentada a história da WYFR quando da instalação dos primeiros 14 transmissores em Okeechobee, Flórida. Entre eles, havia um que estava armazenado na fábrica da Continental, em Dallas, Texas; cinco deles foram transferidos da estação de ondas curtas da WRUL-WNYW-WYFR em Hatherly Beach, Scituate, Massachusetts; e oito novos construídos pelo pessoal da estação em Okeechobee.

Nesta sequência continuaremos a história em 1988, quando o restante dos transmissores em Okeechobee foi instalado.

Conforme os transmissores foram instalados em Okeechobee, a eles foram designados inicialmente os números 1 – 14 na ordem em que foram instalados. Conforme o tempo passou, a designação de cada um foi modificada e eles passaram a ser identificados de acordo com a ordem do local de instalação.

Na época (1988), a WYFR contava com os seguintes transmissores:

2 Continental 418D 100 kW – Novos, embora o primeiro tenha sido usado em Scituate
1 Continental 417B 50 kW – Anteriormente utilizado em Scituate
2 Harris Gates HF100 100 kW  – Anteriormente utilizado em Scituate
1 Gates HF50C 50 kW  – Anteriormente utilizado em Scituate
8 WYFR 100 kW – Novos, baseados no Continental 418D

Todos os 14 transmissores de ondas curtas da WYFR passaram a ser usados para emissões em 20 idiomas durante diversos períodos do dia a todos os continentes. Na inauguração todos os 14 transmissores foram ao ar ao mesmo tempo, com uma potência total nos sistemas de antena de 1,3 MW (megawatts).

A programação da WYFR era direcionada a praticamente todo o mundo a partir de 23 antenas: 12 log periódicas, 5 rômbicas duplas (10), e uma cortina TCI com refletor passivo. O cabeamento do prédio dos transmissores aos vários sistemas de antena mostrado em um mapa da engenharia realmente impressionava.

Ao longo dos anos, em diversas ocasiões a WYFR sofreu danos significativos por conta de tempestades tropicais e furacões. Em 2004, a WYFR sofreu por conta de danos provocados pelos furacões Frances e Jeanne e no ano seguinte pelo Wilma.

Para evitar mais problemas, o pessoal da WYFR preparou-se para salvaguardar a estação contra os ventos, chuvas e raios. Instalações externas que podiam sofrer choques foram reforçadas, os transmissores e outros equipamentos eletrônicos dentro dos prédios dos transmissores foram cobertos com plástico e estes eram desligados quando as antenas começavam a sofrer o impacto dos ventos.

Em algumas dessas ocasiões, as instalações externas ainda foram danificadas, incluindo antenas, cabos e chaves. Após os reparos efetuados depois do furacão Wilma, os transmissores de 100 kW foram utilizados por algum tempo a meia potência.

Durante seus quase 36 anos de serviço, a WYFR foi ao ar diariamente e suas transmissões podiam ser captadas em quase todos os países. Durante esta longa era, a estação celebrou quatro grandes aniversários, de 10, 20, 25 e 30 anos.

Um dos acordos implementados pela Family Radio foi uma longa série de retransmissões por meio de grandes emissoras de ondas curtas internacionais. A primeira dessas retransmissões ocorreu sem anúncio prévio em 1 de Janeiro de 1982. A programação da WYFR foi retransmitida pela Rádio Taiwan Internacional e vice-versa.

Por um período de mais de 30 anos, a programação da Family Radio foi captada por meio de transmissores de ondas curtas operados por diversas estações em mais de 30 localidades diferentes em todos os continentes, exceto a Austrália. Durante uma série especial de transmissões de teste em 2003 acordada pela Associação Nacional de Emissoras de Ondas Curtas (NASB), dois programas de meia hora foram ao ar por meio do transmissor de 50 kW da WRMI em Hialeah na frequência de 7385 kHz.

A retransmissão mais estranha da programação da WYFR ocorreu por meio da estação WTTZ, “de algum lugar na Europa”. Um ouvinte de Kristiansand, Noruega, reportou que em 2008 captou por várias noites seguidas a programação da WTTZ em 6925 kHz. O especialista em estações piratas, George Zeller, disse desconhecer qualquer dado sobre ela, uma estação europeia não autorizada em ondas curtas com um indicativo norteamericano falso. Sendo assim, é possível apenas presumir que tal retransmissão tenha ocorrido por um mero hobbista.

A WYFR sempre foi uma excelente confirmadora e seus QSLs eram emitidos a partir do escritório da estação em Oakland, Califórnia.  Diversos modelos de QSL foram usados ao longo dos anos, sendo que ao menos um tipo deles está nas mais diversas coleções de Dexistas mundo afora.

O QSL de vigésimo aniversário era bastante interessante, sendo na verdade composto por um par de cartões. A foto do lado esquerdo tinha o pessoal do estúdio em Oakland e a do lado direito o da estação transmissora em Okeechobee, Flórida. Quando os dois cartões são colocados lado a lado, o texto e o mapa mundi ficam completos.

O fim desta história chegou em 30 de junho de 2013. A estação deixou de existir, ao menos sob seu indicativo original. Ela passou a ser controlada pela Rádio Miami Internacional, e o indicativo WRMI foi transferido de Hialeah para Okeechobee. Ela ainda é a maior estação de ondas curtas privada do hemisfério ocidental.

Agradeço a Dan Elyea, Chefe de Engenharia da WYFR pelas informações fornecidas a esta longa série de tópicos sobre esta ilustre emissora da Flórida. Ele amavelmente analisou o material compilado para verificar sua precisão. Desejo a ele uma feliz e merecida aposentadoria.

Artigo traduzido mediante autorização do autor. A publicação em qualquer outro meio é expressamente proibida

Anúncios

Ações

Information

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: