Sábado em El Salvador

21 09 2014

Tom Williamson

A República de El Salvador é o menor país da América Central, com seis milhões de habitantes. A capital é a cidade de San Salvador, próxima ao belo Lago Ilopango, é a sede do governo. O país faz fronteira com Guatemala e Honduras a nordeste e oeste respectivamente.

Historicamente parte do Império Asteca, El Salvador compartilha com outras repúblicas do continente a presença colonizadora dos espanhois e fez parte da Federação Centroamericana. Foi palco de uma longa guerra civil. A população consiste de uma mistura de mestiços e descendentes de europeus.

Na tradição Anglo-Saxônica a sexta feira 13 é considerada um dia de azar. Quando vivi na Guatemala fiquei sabendo que esta data correspondia à terça-feira 13, mas não tenho certeza se em nos países da região é igual. Para El Salvador certamente o dia do infortúnio certamente foi o sábado 13 de Janeiro de 2001.

Perto do meio dia um grande terremoto atingiu a América Central, com epicentro na costa do Pacífico de El Salvador. Os danos foram maiores na capital e regiões a leste e oeste, assim como nas proximidades de La Libertad.

Essa é uma região bastante suscetível a terremotos e El Salvador passou por uma situação semelhante dez anos atrás. O terremoto chegou à escala 7,6, um valor bastante severo.

Como efeito dos tremores de terra é comum a ocorrência de deslizamentos de terra. Foi o que aconteceu na cidade de Santa Tecla (também conhecida como Nueva San Salvador), a oeste da capital. O deslizamento soterrou várias casas em questão de segundos. O bairro de Las Colinas foi particularmente afetado.

Tomei conhecimento do fato pelo Serviço Mundial da BBC. Os detalhes eram poucos e acreditava-se que Honduras também tivesse sido fortemente atingido (soube-se depois que outro país vitimado foi a Guatemala).

Você não precisa de uma parabólica, computador ou email para ficar informado! Um rádio de ondas curtas é eficiente e certamente uma alternativa mais barata. É uma pena que muitas emissoras latinoamericanas tenham deixado as ondas curtas em favor da FM ou ondas médias. El Salvador é um exemplo clássico de país que não possui transmissores de ondas curtas. A YSS/Radio Nacional seria uma fonte bastante útil de informações e para envio de mensagens familiares.

Busquei informações nas faixas radioamadorísticas e tive a sorte de encontrar a “Red de Emergencia” em 21330 kHz SSB. Nos dois dias seguintes essa frequência foi uma fonte fascinante de informações e emoções. Sob controle de W7XDX e auxílio de VE4JG, informações e solicitações foram ao ar.
Vários detalhes dos danos em Santa Tecla, San Salvador, San Vicente e Comasagua foram mencionados.

O terremoto foi sentido do México ao Panamá! Curiosamente a rede foi mencionada como “La Voz de las Americas” (isso faz lembrar dos velhos tempos da radiodifusão latinoamericana), que eu suponho ter sido um nome não oficial emocionalmente criado. Quase todas as comunicações eram em Espanhol, mas mesmo sem conhecer o idioma era fácil identificar o nome das cidades e sentir a urgência por informações.

No mesmo dia, sintonizando a Rádio Havana Cuba foi possível confirmar alguns dos dados geográficos e ouvir pedido de ajuda internacional feito pelo Presidente Flores. Isso ocorreu na transmissão das 2230 UTC em 9550 kHz. Em seguida sintonizei o noticiário das 0100 UTC da Voz dos Andes em 9745 kHz. Algumas notícias foram repetidas e complementadas por informações sobre os deslizamentos de terra que mataram mais de 400 pessoas e outras 1200 estavam desaparecidas. México e Estados Unidos enviaram ajuda e houve o comprometimento por parte da Venezuela e Espanha.

Também soube que as equipes de resgate estavam tendo dificuldades em estradas bloqueadas. Apesar do fato de que a ajuda chegava pelo aeroporto ela enfrentava dificuldade para alcançar seu destino. Um aspecto dramático do esforço de resgate foi de que estavam recebendo telefonemas de celulares de vítimas soterradas na região de Las Colinas, bairro de classe média.

Em 17 de Janeiro a BBC informou que cerca de 150 mil pessoas ficaram desabrigadas. Um relatório de Marcos Alemán, da Associated Press e publicado na mídia informou que 141 mil casas foram destruídas, deixando 750 mil desabrigados. 710 pessoas morreram. Mesmo assim, será que tais números são precisos?

Artigo traduzido mediante autorização do Ontario DX Association. A publicação em qualquer outro meio é expressamente proibida.


Ações

Information

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: