O retransmissor da BBC em Malta

6 07 2014

Adrian M. Peterson

A ilha de Malta está localizada no centro do Mediterrâneo, entre a Sicília e o norte da África. O nome Malta vem do Grego antigo melitye significa doce mel.

Cinco ilhas compõem o país, sendo três delas desabitadas. A capital é a cidade de Valetta, no norte da costa da ilha principal. Com uma área total de apenas 315 km² e uma população de quase meio milhão de habitantes, Nalta é um dos mais densamente povoados do mundo. O turismo é uma das maiores fontes de renda do país, com mais de um milhão de visitantes por ano.

Há dois idiomas oficiais no país, Inglês e Maltês. O Maltês possui origem no Árabe antigo falado na região da Sicília. Curiosamente o alfabeto adotado pelo Maltês é o latino.

Na antiguidade o país contava com uma grande população de elefantes anões e hipopótamos pigmeus, cada um com metade do tamanho de seus parentes africanos e infelizmente extintos há bastante tempo.

Na pré-história, os primeiros colonizadores construíram os conhecidos Templos de Pedra Neolíticos, que são as estruturas em pedra mais antigas do mundo. As ilhas foram colonizadas pelos Fenícios e posteriormente pelos Gregos. Malta foi conquistada sucessivamente por cartagineses, romanos, árabes, sicilianos, franceses e ingleses.

Outro animal conhecido do país é o cão da raça maltesa, com seu pelo longo que vai até o chão. Ele inclusive foi muito desejado por mulheres ricas há algumas centenas de anos.

O poeta romano Martialis escreveu um poema sobre a maltesa Issa, que era de propriedade de Publius, Governador de Malta. Durante o inverno de 60 dC, São Paulo naufragou em Malta, na Baía de São Paulo, conforme o capítulo 27 de Livro de Atos. Ele fez amizade com o Governador Publius, que foi convertido ao Cristianismo, assim como toda a população da ilha.

Em um período mais recente os britânicos construíram uma base naval no porto de Delimara, no extremo leste do país em 1876. O nome Delimara em idioma local significa “a sombra de uma mulher”.

A história do retransmissor da BBC no Mediterrâneo parece não ter começado em Malta, mas na ilha de Chipre, no ano de 1959. O WRTH daquele ano tinha a informação de uma emissora de rádio com o nome “Radio Independent Transmitting Unit”.

Em 1959, como informa o WRTH, uma emissora foi instalada na estação de comunicações de Episkopi com um serviço diário de três horas e meia em Inglês, das 1200 – 1530 UTC em 7130 kHz com uma potência de ½ kW. Na época existiam planos de um serviço em Árabe.

É provável que esse novo serviço em ondas curtas, temporário e experimental, tinha como objetivo a expansão para algo semelhante a Radio Sharq al Adna, que foi ao ar previamente a partir do Chipre. A “Radio Independent Transmitting Unit”, foi ao ar por não mais que alguns meses e o projeto parece ter sido transferido para Malta. O WRTH informava que a emissora confirmava os informes com carta QSL.

 No início de 1959, um grupo de funcionários da BBC visitou Malta para verificar a viabilidade radiofônica da região. Um relatório oficial foi emitido em Abril.

A Estação Retransmissora da BBC no Mediterrâneo Central foi instalada pela Marinha Britânica em Delimara, Malta. Era composta por dois transmissores de ondas médias com 20 kW e a inauguração ocorreu em 1960. A potência dela, que era operada pelo Serviço Diplomático era de 10 kW, e apenas uma unidade ia ao ar por vez.

A programação ia ao ar durante dez horas por dia em duas seções e consistia do serviço em Árabe da BBC destinado à Líbia e Tunísia. A primeira frequência usada quando da sua inauguração foi a de 1079 kHz. Em março de 1961 foi feita a troca para 1178 kHz.

Em novembro de 1968 a BBC anunciou planos de fechamento da estação. Ao invés disso, ela permaneceu no ar e em setembro de 1969 a frequência foi novamente modificada, desta vez para 1546 kHz. Dois anos depois foi feita outra mudança, para 1511 kHz. Em fevereiro de 1973, após quase 13 anos de serviço, a Estação Retransmissora da BBC no Mediterrâneo Central foi fechada, provavelmente devido a uma solicitação do Egito.

A estação foi doada às autoridades de Malta, e reativada em dois canais simultâneos, 998 e 1546 kHz, cada um com 20 kW. Um deles apresentava programação em Italiano e Árabe e o outro em Maltês. Ela foi desmontada posteriormente e reinstalada em Bezbezija, a 15 km de sistância de onde estava.

O forte de Delimara foi abandonado e em seguida alugado a um criador de porcos. Em 2005, o terreno foi transferido à fundação “Heritage Malta” e o local transformado em um museu.

Artigo irradiado no programa Wavescan e traduzido mediante autorização. A publicação em qualquer outro meio é expressamente proibida.


Ações

Information

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: