Usando gravadores de MP3

13 04 2014

Bjarne Mjelde

A gravação de captações é algo que costumo fazer desde quando comecei no Dexismo, no início da década de 1970. Registros em fita cassete eram a única alternativa na época. Apenas na década de 1990 outras mídias começaram a surgir, como os Minidiscs. Eles ainda são populares entre os Dexistas, especialmente após a evolução para o formato Hi-MD, que permite o envio rápido dos arquivos para o computador. A gravação direta no PC também tornou-se comum e programas do gênero existem em grande quantidade.

Mas, gravar em um computador requer um computador, algo nem sempre possível ou desejável por razões como espaço, peso, ruído, etc. Então, que tal usar um aparelho de pequeno porte e de fácil aquisição como um gravador de MP3? Alguns possuem a opção de gravação analógica por meio de uma entrada de linha. Seu uso para o Dexismo vem amadurecendo ao longo dos anos e para verificar seu desempenho passei a comprar vários modelos.

Há uma necessidade em específico: o dispositivo deve começar a gravação de forma imediata, sem seleção em menus, definição de nome do arquivo ou desligamento automático, além de ter capacidade suficiente para várias gravações. Ficar sem espaço sob boas condições de propagação não é nada agradável.

Levando em conta que novos gravadores são lançados em questão de meses, não informarei os modelos disponíveis que possuem entrada de linha, mas há muitos. Você precisará buscá-los, pois vários não a possuem. O iPod é um exemplo.

Existem dois tipos de gravadores de MP3: os com armazenamento em memória flash ou disco rígido. Os de memória flash possuem capacidade de 0,5 a 2 GB, enquanto os de disco rígido vão de 4 a 80 (ou mais) GB. Obviamente, quanto maior a capacidade, melhor e os de memória flash são geralmente os mais caros. Um gravador flash com 512MB trabalhando a uma taxa de amostragem de 64kbps pode armazenar até 18 horas de DX. Então, para uma noite de uso um gravador de baixo custo dará conta do recado.

Diferentes gravadores de MP3

Após pesquisar por algum tempo decidi começar com o gravador iAudio M3 HDD (20 GB).

iAudio M3 comparado a um MD

O M3 precisa de um adaptador ou berço para conexão à entrada de linha. Ele faz parte do pacote, e na maior parte das vezes o berço também. Possui um controle remoto com fio (similar aos MDs portáteis) em que há um display. Todos os controles estão disponíveis tanto na unidade principal como no controle remoto. Grava apenas em formato MP3, embora possa executar arquivos em outros formatos. Taxas de amostragem de 64 a 320 kbps podem ser selecionadas. 64 kbps serão suficientes para gravações DX e ocuparão em média 490 kB por minuto. Então, teoricamente os 20GB permitirão armazenar cerca de 680 horas de DX (a capacidade real é sempre um pouco menor que a informada). A título de comparação, um minidisc de 80 minutos em modo 4LP possui capacidade de 5 horas e 20 minutos. Além disso, como a entrada de linha é estéreo, é possível conectar dois receptores ao M3, permitindo a gravação de 1360 horas de DX. A separação de canais é excelente. Seu limite é de 999 arquivos com tamanho máximo de 512MB. Caso você faça uma gravação de 24 horas e o limite de 512MB seja excedido antes não há razão para preocupação – as horas suficientes para o arquivo de 512MB serão gravadas em um arquivo e o restante em outro.

A durabilidade da bateria é muito boa; do total de 14 horas informado, uma avaliação disse ter sido superior a 13 horas. Tal valor foi mensurado em modo playback; não há detalhes quanto ao rendimento em gravações, mas não creio ser muito diferente. Esse valor pode variar de aparelho para aparelho.

A gravação com o M3 é fácil e não entrarei em detalhes. Entretanto, ele possui uma falha que demorou algum tempo até eu descobrir a razão. Ao gravar com o carregador conectado havia presença de ruído – não no receptor, mas na gravação! Como resultado a qualidade de áudio sofreu degradação e vários DX foram perdidos. Substituí a fonte chaveada de 5 VDC por uma estabilizada de 6 VDC e o ruído foi embora.

Você certamente precisará mover os arquivos para o PC para posterior processamento e armazenamento. A maioria dos gravadores de MP3, incluindo o iAudio, serão reconhecidos como um disco externo sem necessidade de instalar drivers ou qualquer software proprietário. Com uma porta USB 2.0 a transferência ocorrerá sem problemas e de forma rápida. Apenas não me pergunte quanto ao funcionamento no Mac OS, pois não tenho conhecimento sobre o assunto.

Também fiz testes em um gravador baseado em memória flash. Comprei o iRiver iFP-895, com 512 MB e que ao contrário do M3 possui AGC, algo que o torna menos suscetível a sobrecarga se o nível na entrada de linha for muito elevado. As gravações a 64 kbps tiveram excelente qualidade – mesmo porque não precisamos de largura de áudio muito grande pois raramente usamos filtros com valores superiores a 6 kHz. Fiquei tão satisfeito que comprei também um iFP-899 (1GB) e um iFP-795 (também com 512 MB, mas com leves diferenças na aparência). Tenha em mente que o firmware padrão do iRiver necessita de software proprietário para envio dos arquivos de áudio ao PC. Não é um grande problema, até porque firmwares mais atuais permitem que os gravadores sejam reconhecidos pelo Windows como um disco externo.

iRiver iFP-795

Todos os iRivers usam pilhas AA. Por um lado há custos, mas por por outro a certeza de que você não precisará de um carregador ruidoso. Apenas tenha em mente que quando as pilhas desses gravadores descarregam durante uma gravação, ela não será salva antes do desligamento.

iRiver iHP-120

Queria testar outros gravadores com base em disco, então comprei um iRiver iHP-120 no Ebay. Ele também tem uma saída de linha que pode ser bastante útil. Ao contrário do M3, ele não precisa de um adaptador especial ou berço para poder usar a entrada de linha. Ele é excelente para gravações de DX e seu display supera o do M3. Mas, novamente temos um carregador ruidoso. Conectei-o a uma fonte estabilizada de 6 VDC e ele desapareceu. Para uma noite de DX a bateria interna certamente dará conta (há pacotes de baterias extras no Ebay e você também pode construir uma). Caso você queira usar tais gravadores durante longas DX-peditions é recomendável usar uma fonte de alimentação alternativa. Creio que carregadores ruidosos sejam um problema quase universal, então, independente do gravador escolhido, tenha em mente que não é possível fazer DX com ele conectado. O 120, ao operar com bateria, salvará a gravação em execução antes da descarga total da bateria. Outra coisa interessante sobre ele é que o pessoal do site Rockbox fez um firmware alternativo, incluindo a opção de buffer pré-gravação de até 30 segundos. Entretanto, com esse firmware é possível fazer gravações apenas em formato wav. Ele também pode ajudar usuários com deficiência visual. Modelos mais atuais do iRiver como o 320 e 340 possuem display colorido e até onde sei funcionam de forma similar ao 120 e 140.

Para encerrar: há vários equipamentos do gênero que não fazem gravação. A maior parte deles são abordados em fóruns independentes. Nesta avaliação escolhi os modelos iRiver e iAudio mas há muitos modelos interessantes no mercado.

Artigo traduzido mediante autorização do autor. A publicação em qualquer outro meio é expressamente proibida.


Ações

Information

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: