Mix FM

27 02 2017

O uso de confirmações preparadas continua a ser ferramenta essencial nesses dias em que obter a resposta das emissoras é cada vez mais difícil. Continuo sendo muito resistente ao uso de emails e creio que a partir do dia em que obter confirmações fique impossível é bem provável que abandonarei o hobby.

Por enquanto ainda acredito em uma certa longevidade.





Atualizações do blog

26 02 2017

Pessoal,

Apenas para informar que seguindo a nova sistemática, durante este ano farei atualizações no blog nos dias pares. Para o canal “Regional DX” no YouTube as atualizações ocorrerão nos dias ímpares. Em meu período de férias no trabalho apenas o canal será atualizado, mas com frequência menor (no primeiro e último dia ímpar de cada semana).

O conteúdo do blog permanecerá igual, com artigos semanais, confirmações, áudios e outros conteúdos de interesse Dexista. A missão é reforçar os valores vigentes da página: independência e qualidade.

Para o canal do YouTube o conteúdo continuará focado nas gravações de identificações de emissoras, sejam elas de FM, ondas médias, curtas ou tropicais. Também tenho roteiros de avaliação de publicações que serão produzidos ao longo do ano. Depois de consolidado o padrão gráfico o objetivo é melhorar ainda mais a edição dos vídeos. Para tal, continuo aprendendo diversos softwares da suíte Adobe.

Se você não conhece o canal “Regional DX” no YouTube, não deixe de visitar youtube.com/regionaldx. Assista os vídeos, deixe seu “gostei”, compartilhe o conteúdo e assine o canal. Isso ajuda muito a manter o meu trabalho!

Durante o último ano o blog ficou abandonado, o que foi uma pena, mas não tive outra opção ante a rotina de estudos pela qual passei. Novos períodos de pausa podem ocorrer, embora tenha feito um bom planejamento visando evitar tais situações. Se isso acontecer, conto com a sua compreensão, afinal todos temos uma vida fora do rádio, não é mesmo?

Agradeço sua visita e conto com a sua fidelidade durante este novo ano!





O mistério do navio desaparecido

25 02 2017

Adrian M. Peterson

No mês de Março de 1938, um famoso navio desapareceu para nunca mais ser visto ou ouvido novamente. Ele estava navegando nos mares do sul e era equipado com equipamentos de rádio moderno. Esta será a história do artigo de hoje.

Em 1908, um navio foi construído em Bremerhaven, na Alemanha, sendo ele um dos últimos à vela sem redução fabricados. Ele foi projetado como uma embarcação de treinamento que que serviria o mundo inteiro em nome da organização Marítima Belga.

Ele possuía quatro mastros, um elegante casco de metal e foi batizado como L’Avenir. Entrou em serviço em 1911 e equipamentos da Marconi foram instalados. O indicativo Morse dele era MAZ. O L’Avenir teve a honra de ser o primeiro navio mercante a contar com equipamentos de rádio.

Em 1932 o navio foi vendido a Gustaf Erikson, da Finlândia; em 1937 foi vendido à companhia alemã Norddeutscher Lloyd. O L’Avenir foi rebatizado como Almirante Karpfanger, em homenagem ao Almirante Berend Karpfanger, um heroi alemão conhecido por ter lutado contra piratas no início do século XVII.

A partir de então o Almirante Karpfanger serviu como navio cargueiro de treinamento. Durante o verão (no Hemisfério Sul) de 1938, ele passou pelo Golfo Spencer, no sul da Austrália e atracou no Porto Germein.

O cais, instalado em uma região rural, era o maior do Hemisfério Sul e estendia-se em direção ao golfo por mais de 1,5 km. Bancos de lama tornavam o acesso difícil.

No porto Germein, o Almirante Karpfanger recebeu uma carga de trigo ensacado em um total de 3500 toneladas. O navio foi carregado ao máximo, restando apenas cinco polegadas para o seu limite legal.

Houve outro problema, pois o gerador de energia do rádio apresentou defeito. Presume-se que ele carregava as baterias do equipamento.

O navio seguiu para o leste, passou pela Nova Zelândia e seguiu pelo Oceano Pacífico em direção à América do Sul. No dia 1 de Março de 1938 ele manteve contato com a Awarua Radio (ZLB) e informou que estava tudo bem.

Três dias depois, outra mensagem via rádio foi enviada, desta vez à estação marítima alemã Norddeich Radio (DAN). O mesmo ocorreu cinco e seis dias depois.

Em 12 de Março, o operador de rádio do Almirante Karpfanger entrou em contato com a Norddeich Radio novamente, e informou que estava tudo bem. A posição do navio foi informada e seu curso estava em bom ritmo para um navio à vela. Esta foi a última mensagem enviada por ele.

Não foram enviadas mais mensagens e nem o navio ancorou em qualquer porto. Então, o que houve? O fato é que o rádio ainda estava funcionando e ao que parece o que aconteceu foi uma rápida e inesperada sequência de eventos.

Marinheiros familiares com as águas na região do Cabo Horn sugeriram que o navio colidiu com um iceberg e afundou. Outros sugeriram que ele colidiu contra um recife de corais ainda não existente nas cartas náuticas.

Durante algum tempo, destroços dele foram encontrados nos litorais da região, sendo alguns identificados positivamente como pertencentes ao Almirante Karpfanger. Isso sugere que ele de fato afundou próximo à Ilha Navarin, no extremo sul da América do Sul.

Uma investigação concluiu que o navio provavelmente foi golpeado por uma forte onda que o virou, provocando o naufrágio. Esse trágico evento causou a morte de 60 pessoas.

Artigo traduzido mediante autorização do autor. A publicação em qualquer outro meio é expressamente proibida.





Volta das atividades

7 11 2016

Caros amigos,

Decidi preparar esta breve postagem para informar que voltei a preparar conteúdo para o blog e que em cerca de duas semanas o ritmo normal de publicações será retomado. Preciso de algum tempo pois o primeiro artigo que publicarei será extenso, mas tenho certeza que muitos vão gostar.

Forte 73 e até breve!





Pausa nas atividades do blog

4 07 2016

Caros amigos,

Por conta de outras prioridades (principalmente estudos), optei por pausar as publicações no blog. Continuo ativo no hobby e inclusive estive em uma excelente DXcamp na cidade de Porangaba/SP no último fim de semana. Os QSLs continuam chegando também, ainda que em menor número.

Tenho material em forma de áudios, confirmações e artigos para poder num futuro próximo voltar a disponibilizar conteúdo de qualidade, algo que sempre foi minha prioridade desde que criei este espaço na internet.

No momento optei por priorizar a divulgação das minhas atividades no canal Regional DX no Youtube.

Acredito que em meados de Dezembro voltarei a atualizar o blog. Por enquanto, além do canal do Youtube, este espaço conta com conteúdo suficiente para entretê-lo. 🙂

Forte 73 e até breve!





O efeito Luxemburgo

13 03 2016

Um efeito ionosférico interessante foi notado há cerca de 80 anos e relatado na revista Radio Craft de Fevereiro de 1935. A Rádio Luxemburgo operava em 252 kHz, com um potente sinal de 150 kw com o objetivo de atingir a Inglaterra.

O fenômeno foi descoberto em 1933 por B.D.H. Tellegen, em Eindhoven, Holanda, que estava ouvindo uma estação de Beromunster, Suíça, em 652 kHz. Ao fundo da estação suíça, ele pode ouvir o áudio da Rádio Luxemburgo. O mesmo fenômeno foi reportado por outros ouvintes. Devido à distância entre os três pontos envolvidos, a sobrecarga do receptor não era uma possibilidade. O sinal de Luxemburgo podia ser ouvido apenas quando a estação suíça estava transmitindo.

Tellegen notou que os três pontos estavam em linha reta: quando o sinal da estação suíça chegava à Holanda ele passava diretamente sobre Luxemburgo. Ele teorizou corretamente que a portadora da estação suíça estava sendo modulada na ionosfera conforme passava pelo forte sinal da Rádio Luxemburgo.

A ionosfera tinha sido apenas recentemente descoberta e não era totalmente compreendida. Supunha-se antes que a ionosfera era um meio linear por meio do qual as ondas de rádio eram refletidas passivamente. A existência do Efeito Luxembrugo mostrou que ela podia ser “aquecida” artificialmente para produzir efeitos não lineares.

Curiosamente, a frequência portadora do sinal não parecia ser crítica. A modulação do sinal interferente era sobreposta no outro sinal independente da frequência portadora. Pesquisas posteriores mostraram que a maior parte do efeito ocorria em frequências de áudio baixas.

Para o desespero dos teóricos da conspiração, este é o fenômeno que o Programa de Pesquisa de Aurora Ativa em Alta Frequência (HAARP) estudava. É relativamente fácil gerar um sinal de alta potência em ondas curtas (HF). O HAARP tinha transmissores que podiam gerar sinais de 3,6 MW de 2,8-10 MHz e irradiá-los em direção à ionosfera. Tal sinal era capaz de gerar o mesmo tipo de “aquecimento” causado pela Rádio Luxemburgo.

É mais difícil gerar sinais na faixa de Frequência Extremamente baixa (ELF). Entre outras coisas, sinais ELF são usados para comunicação com submarinos. A principal ideia do HAARP era gerar tais sinais não no transmissor, mas na própria ionosfera, misturando dois sinais fortes em HF. Por exemplo seria praticamente impossível gerar uma onda de rádio na frequência de 0,1 Hz com um transmissor. Direcionando dois sinais para a ionosfera, um em 4,000000 MHz e um em 4,0000001 MHz, o resultado seria uma onda de rádio gerada na ionosfera com a diferença de frequência, 0,0000001 MHz, ou 0,1 Hz.

O fenômeno é às vezes chamado efeito Luxembourg-Gorky, pois um potente transmissor de ondas longas em Gorky, União Soviética, produzia efeitos similares.

Referências:

Probing the Northern Lights, Popular Mechanics, Julho 1999.
Dissertação de PHD de Juan Valentin Rodriguez, 1994, página 5.
Radio Science for the Radio Amateur por Eric Nichols, páginas 11-7

Artigo traduzido mediante autorização. A publicação em qualquer outro meio é expressamente proibida.





Rádio Congo

9 03 2016

Não deixem de curtir o vídeo e assinar o canal em http://www.youtube.com/regionaldx