Jovem Pan

15 01 2018

Jamais imaginei que esta emissora tivesse emitido flâmulas ou mesmo que um dia empregou a referida identidade visual. Se alguém tiver ideia de qual ano ela é e puder deixar um comentário ficarei agradecido, ainda que imagino ser da época em que transmitia em ondas curtas.

Anúncios




O que acontece com um sinal de rádio durante uma explosão atômica?

13 01 2018

Adrian M. Peterson

É bastante evidente que não existe similaridade entre um eclipse total e uma explosão atômica. O eclipse total proporciona um bonito espetáculo de escuridão, enquanto a explosão atômica traz destruição e devastação.

Entretanto, apesar da grande diferença entre ambos, há um ponto em comum: os dois causam mudanças na atmosfera superior que impactam na propagação de sinais de rádio.

O atol Johnston é um conjunto de quatro ilhas de coral distantes 1385 km a sudoeste do Havaí, com uma área de menos de 2 km². Elas nunca foram povoadas, embora tenham ocorrido ocupações por breves períodos por militares norte americanos.

Durante os anos de 1958 a 1975, os Estados Unidos conduziram diversos testes nucleares a partir de foguetes na atmosfera, em níveis altos e baixos. Monitoramentos de sinais de rádio no Havaí, Japão e Nova Zelândia demonstraram que a propagação na zona da explosão em quase todas as frequências foi bastante reduzida, assim como o ruído atmosférico (QRN). Aparentemente a explosão produziu um efeito de absorção de todas as transmissões de rádio.

Imediatamente após a explosão houve o desaparecimento dos sinais e QRN, com recuperação parcial logo em seguida e, em nível total, às vezes apenas após alguns dias ou mesmo semanas. Um relatório informou que o distúrbio no comportamento de todos os sinais de rádio e ruído atmosférico foi similar ao que ocorre durante grandes explosões solares.

Em Rarotonga, nas Ilhas Cook, um radioescuta relatou o blackout completo de todos os sinais de rádio por cerca de cinco dias, exceto nas faixas do extremo superior do espectro de rádio frequência, e também na porção inferior, mesmo durante o dia. A estação receptora de Quartz Hill em Wellington, Nova Zelândia, relatou uma melhora no sinal da BBC em 25 MHz (11 metros).

Os Estados Unidos instalaram um transmissor de ondas curtas na Ilha Johnston especificamente para os testes nucleares em baixa atmosfera para o ano de 1962. Ele transmitia tons específicos em 12020 kHz similares aos da estação de sinais havaiana WWVH.

No horário da explosão, às 0900 UTC de 9 de Julho de 1962, Quartz Hill captou um clique do referido transmissor seguido por total silêncio. Não há registro de que alguém tenha confirmado essa transmissão única.

Durante o teste nuclear, Quartz Hill também manteve sintonia da emissora 2UE de Sydney em 950 kHz, 1YA de Auckland em 760 kHz, Rádio Austrália via Shepparton em 7190 kHz, VOA via Honolulu em 9650 kHz e WWV desde Boulder, Colorado, em 10000 kHz. Em todos os casos, na hora da explosão o sinal foi ou completamente perdido ou seriamente diminuído. É importante mencionar que na época a WWVH ficava fora do ar por três minutos após a hora cheia.

Um ouvinte de Invercargill, no extremo da Ilha do Sul da Nova Zelândia relatou que a única estação de ondas médias da Ilha do Norte que podia ser captada era a potente 2YA, que com 100 kW operava em 570 kHz. Mesmo assim, seu sinal estava muito abaixo do normal.

Durante os meses de Agosto e Setembro de 1958, os Estados Unidos conduziram uma série de testes nucleares secretos no Atlântico Sul. Eles ocorreram a altitudes extremamente altas, mas mesmo assim os resultados com relação a propagação foram muito similares aos dos ocorridos no Pacífico Sul e Central.

As informações apresentadas neste artigo foram possíveis graças a diversas páginas na internet. Gostaria de agradecer ao Jornal Neozelandês de Geologia e Geofísica por disponibilizar material para pesquisa e ensino sobre este assunto.

Artigo traduzido mediante autorização. A publicação em qualquer outro meio é expressamente proibida.

Você já conhece o canal Regional DX no Youtube? Vídeos novos publicados nos dias pares do mês. Não deixe de se inscrever, curtir os vídeos, comentar e compartilhar o conteúdo. Visite em youtube.com/regionaldx





Gospel FM – São Paulo/SP

11 01 2018

Emissoras religiosas em boa parte seguem de forma bastante regular o procedimento de transmitir a identificação na hora cheia, o que serve para aumentar o meu acervo de publicações e acho que seria muito bom se fosse seguido por outros tipos de rede, pois é algo que facilita bastante a vida de quem busca novas captações.

A Gospel FM foi captada em Sorocaba/SP na frequência de 90,1 MHz conforme áudio abaixo:





Nativa FM – Poços de Caldas/MG

9 01 2018

Como acabei fazendo essa escuta em Cordeirópolis e esqueci de colocar uma nota sobre isso no informe, o pessoal da emissora acabou imaginando que fiz a escuta em Sorocaba, coisa que seria muito improvável, até porque a Vanguarda FM tem gerador e nas poucas ocasiões em que ocorreram faltas de energia generalizas na região ela foi uma das poucas emissoras que sempre esteve no ar.





Uma emissora alemã no Canadá durante a II Guerra Mundial

7 01 2018

Adrian M. Peterson

Durante a II Guerra Mundial, as forças armadas alemãs enfrentavam a desvantagem de não ter informações meteorológicas das condições em formação no Atlântico e que atingiam o continente. As forças Aliadas tinham disponíveis informações do Canadá e dos Estados Unidos, assim como da Groenlândia e Islândia, permitindo elaboração de previsão do tempo na Inglaterra com bom nível de precisão.

Em uma tentativa para obter informações meteorológicas do Atlântico, as autoridades alemãs desenvolveram um plano com o objetivo de obtê-las. Assim nasceu um projeto pelo qual instalariam pequenos transmissores de rádio em localidades favoráveis na América do Norte e em ilhas do Atlântico Norte.

Um total de 20 a 30 estações meteorológicas via rádio foram construídas e montadas pela empresa alemã Siemens, baseadas em um projeto desenvolvido pelo Dr. Ernst Ploetze e Edwin Stoebe. Cada uma continha instrumentos de medição, um sistema de telemetria e um transmissor de 150 W fabricado pela empresa Lorenz. Os equipamentos de cada estação eram acondicionados em cilindros metálicos para facilitar o transporte aos locais desejados.

A estação meteorológica clandestina destinada a ser instalada no Canadá foi identificada como WFL26 e operaria em 3940 kHz por um período que, alimentada por baterias, operaria por cerca de seis meses. Ela foi configurada para transmitir a telemetria meteorológica por dois minutos a cada 3 horas.

Em 18 de Setembro de 1943, o submarino alemão U537, comandado pelo capitão Peter Schrewe, deixou a cidade de Kiel em sua primeira patrulha de combate. A bordo estava a estação meteorológica WFL26, a sexta de 21 que foram fabricadas. Também embarcaram dois profissionais da Siemens, o Dr. Kurt Sommermeyer e seu assistente, Walter Hildebrandt.

Na viagem pelo Atlântico, o submarino foi danificado por conta da colisão com um iceberg durante uma tempestade. Por conta dos danos, ele não conseguiu mais submergir e perdeu sua artilharia antiaérea. Mesmo assim continuou sua perigosa e solitária jornada.

Em 22 de Outubro de 1943 ele chegou a costa de Labrador, que na época fazia parte do território britânico de Newfoundland e hoje pertence à província de Newfoundland-Labrador. Dois dias depois o submarino chegou à baía Martin, no extremo norte de Labrador, o mais distante possível de rotas de caçadores Inuit itinerantes.

A estação foi montada e colocada em funcionamento no topo de uma colina a 51 metros de altura e 365 metros distante da costa enquanto o submarino passava por reparos. A maior parte do trabalho foi feito durante o período de escuridão.

A WFL26 recebeu um logotipo com o nome de uma organização inexistente, o Serviço Meteorológico Canadense. Como forma de despistar, algumas embalagens de cigarros americanos foram deixados no local.

Em apenas 28 horas o serviço foi completado, a estação entrou em pleno funcionamento e os reparos no submarino foram completados permitindo o início da viagem de volta. O submarino permaneceu algum tempo sob o mar da região de Labrador para monitorar as transmissões iniciais da WFL26.

No início ela foi captada com bom sinal, embora a primeira transmissão tenha ocorrido com um atraso de três minutos. Dias depois o sinal começou a deteriorar até que passou ao completo silêncio apenas três semanas depois.

Um relatório de monitoramento afirmava haver jamming na mesma frequência. Entretanto, este não era deliberado, pois a transmissão ainda era desconhecida dos Aliados. Isso provavelmente aconteceu pois o canal às vezes era empregado por usuários legítimos que desconheciam sua existência.

Durante o trajeto, em três ocasiões distintas o submarino U537 repeliu e escapou de ataques da Real Força Aérea do Canadá nas águas do Atlântico. O submarino alcançou a costa do território ocupado da França em Lorient no dia 8 de dezembro de 1943, após 70 dias no oceano.

A estação meteorológica ficou abandonada por vários anos e não houve registro de que tenha sido vista até o ano de 1977. O Geólogo Peter Johnson e uma equipe de exploradores localizou o equipamento, mas, pensando se tratar de uma estação canadense simplesmente deixou como estava.

Então um engenheiro aposentado da Siemens, de nome Franz Selinger, iniciou uma pesquisa para escrever a história da divisão de rádio da empresa. Ele encontrou uma referência a WFL26 e entrou em contato com o historiador do Departamento de Defesa do Canadá, W. A. E. Douglas, que organizou um grupo para visitar a região em 1981.

O grupo de exploradores viajou pela baía Martin a bordo de um navio da Guarda Costeira, e Franz Selinger estava entre eles. A estação foi encontrada após 38 anos de sua instalação, embora com diversos danos.

O que restou do equipamento foi recuperado e faz parte do acervo do Museu de Guerra do Canadá, em Ottawa.

Artigo traduzido mediante autorização. A publicação em qualquer outro meio é expressamente proibida.

Você já conhece o canal Regional DX no Youtube? Vídeos novos publicados nos dias pares do mês. Não deixe de se inscrever, curtir os vídeos, comentar e compartilhar o conteúdo. Visite em youtube.com/regionaldx





Rádio Espinharas – Patos/PB

5 01 2018

No início da década de 1990 ainda era bastante comum receber das emissoras longas respostas, ainda que datilografadas, como é o caso. Máquinas de escrever hoje são praticamente peças de museu e na maior parte dos casos temos que nos contentar com nada mais que um PPC.





Pop FM – Piracicaba/SP

3 01 2018

A Pop FM é mais uma das emissoras de Piracicaba que apresenta sintonia bastante razoável durante todo o dia, mas neste caso, com sinal um pouco menos intenso que a média, o que vez ou outra pode proporcionar algum DX em seu canal.

A Pop FM foi sintonizada em Sorocaba/SP na frequência de 89,7 MHz conforme áudio abaixo: